sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Balada para todo amor

todo amor é assim, plágio
cópia de cópia de si, no mesmo
sim na tua visibilidade
no seu sexo. Porque todo amor
é aquela alegre repetição
doença de sonho e de tensão
acontecimento que tanto faz
se desfaz. De que não posso
dizer o que quero, ou o que vale
nem mesmo vale a pena
[O amor, seu troco.]
O caro, o espaço, o caroço
o que sobra o que falta e o falho.
Todo amor falece. Não cresce.
Não é o que se espera.
Dele nada sobra. Além do gozo.
Da calma, da cama, do colo
da palavra: só as notas altas
o cantam. As baladas mais.
A exultação mais plena.
Pois todo amor é outra vez
o mesmo amor. É sempre. É pouco.
E só se estabelece quando
impossivelmente fala a falta
do tolo amor, que já é lembrança
excessiva. Que todo amor costura
um tédio. E tem a surpresa da morte.
Somos suas presas em suas levezas.
Corre o fundo tempo por seus lodos
mostra a sua sede à noite morta.
Quem me crê sabe o que digo:
o amor já vem perdido, pois perder-se
é o destino amante. Dele vem logo
o mote o trote o corte a espada
que o amor tem em seus dentes
pois sua loucura é o nada.

rogel samuel

["Balada para todo amor, em 14 de maio de 2.000]

2 comentários:

  1. que LINDA balada, amigo! o amor que já vem perdido e assim nos perdemos nele.
    UM BELO POEMA NUM RITMO PRECIOSO.

    ResponderExcluir
  2. OBRIGADO, AMIGO, EU ESTAVA PRECISANDO DESSA

    ResponderExcluir